agosto 26, 2020

POLÍCIA FEDERAL CUMPRE MANDADO DE BUSCA E APREENSÃO CONTRA MAIOR FACÇÃO CRIMINOSA DO PAÍS QUE ATUAVA EM PETROLINA

 Mais onze detentos testam positivo para Covid-19 e total de casos ...

A Polícia Federal (PF) cumpriu um mandado de busca e apreensão em Juiz de Fora nesta terça-feira (25) durante a Operação “Expurgo”, deflagrada contra a tentativa do Primeiro Comando da Capital (PCC) de estabelecer uma base no Rio de Janeiro. Foram cinco mandados de busca e apreensão cumpridos em Minas Gerais.

A PF informou que o alvo de Juiz de Fora, um homem de idade não informada, já estava preso antes da operação. Não foram divulgados quais materiais foram apreendidos durante a operação na cidade.

A 2ª Vara Criminal da Comarca de Bangu expediu 27 mandados de prisão no RJ, São Paulo, Pernambuco, Minas Gerais, Pará e Mato Grosso do Sul. Treze dos alvos já estavam encarcerados.

De acordo com a polícia, um dos mandados de prisão preventiva foi cumprido na Penitenciária Dr. Evaldo Gomes, em Petrolina. O detento já cumpre pena por tráfico de drogas.

Segundo a PF, as investigações começaram em dezembro de 2018 e apontaram que os líderes da quadrilha planejavam expandir a atuação no Rio, contando com a parceria de outras facções do crime já atuantes na região.

A polícia informou que mesmo já presos, os líderes da organização faziam uma “gestão criminosa” dentro de presídios estaduais, replicando ordens e tomando decisões.

A investigação apurou ainda que a rede era estruturada e tinha base na hierarquia e na disciplina, regidas inclusive por um estatuto e um dicionário disciplinar próprios, estabelecendo condutas, protocolos a serem seguidos e até a aplicação de sanções.

Os integrantes da quadrilha se comunicavam através do uso de aplicativos e da divisão de tarefas, permitindo a definição de atividades diárias, a realização de debates e tomadas de decisões, assim como o monitoramento das atividades das forças de segurança estaduais. Os presos serão autuados por organização criminosa, tráfico de drogas e de armas. Roberto Gonçalves