terça-feira, 14 de abril de 2020

PERNAMBUCO BATE SÃO PAULO NO CRIME

Novo levantamento nacional sobre o ranking da violência confirmou, ontem, que o Pacto pela Vida, xodó do ex-governador Eduardo Campos (PSB), que o concebeu e virou referência nacional, sendo copiado para outras unidades da Federação, foi, definitivamente, para as cucuias. O Estado é o terceiro mais violento do País, perdendo a liderança nesse campeonato do terror e da morte apenas para Bahia, o primeiro, e Rio, o segundo, nessa ordem de grandeza.

Os dados são do Monitor da Violência, composto pelo G1, Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo (NEV-USP) e o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Nos primeiros três meses deste ano, a Bahia foi o Estado brasileiro que registrou a maior quantidade de mortes violentas em 2019. Ao todo, 5.099 mortes violentas (homicídios dolosos, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte).

Destas, 4.889 foram enquadrados como homicídio doloso, 143 como latrocínio e 67 como lesão corporal seguida de morte, fora as denominadas morte por intervenção policial, que é um sério indicador de violência em qualquer lugar no mundo. O Estado com a segunda maior quantidade de mortes violentas em 2019 foi o Rio de Janeiro, com 4.154 casos. Em seguida vieram Pernambuco (3.466) e São Paulo (3.209).

Dessa forma, em comparação com 2018, a Bahia teve uma redução de 521 mortes violentas, quando o Estado baiano registrou 5.620 casos, sendo 5.417 homicídios dolosos, 134 latrocínios e 69 lesões corporais seguidas de morte. No caso de Pernambuco, foram 3.466 homicídios no mesmo período Só no último fim de semana de Páscoa, com bares, restaurantes e inferninhos fechados, 19 pessoas tombaram mortas alvejadas por tiros no submundo da criminalidade.

A tragédia urbana não se restringe ao Grande Recife. Em Caruaru, a capital do Agreste, também só neste último fim de semana, foram registrados cinco homicídios. Pelos números, a violência desenfreada está levando mais vidas ao cemitério do que mesmo o coronavírus. Temendo o alastramento da violência, a população ocupa as redes sociais com mensagens de protesto. Uma das frases que chamaram atenção: “Em Pernambuco morreram 56 pessoas por coronavírus. E 306 pessoas assassinadas no mês de março. Devo usar máscara ou colete a prova de bala?” Magno Martins